sexta-feira, 28 de julho de 2017

Homem-Aranha: Aprender a Escalar



O primeiro livro da Goody no universo Marvel saiu hoje, e a escolha recaiu em Aprender a Escalar com o Aranhiço como protagonista.
E este livro tem importância porque é hoje que os leitores vão conhecer o produto com que a Goody entra no mercado português de super-heróis.

Falando do livro como objecto achei a capa pouco espessa para um TPB. As espessura das folhas está bem para o fim que se pretende, o papel têm um brilho médio que se vai adequar um pouco melhor ou um pouco pior conforme o tipo de história publicado.

Tecnicamente a parte mais fraca deste livro parece-me ser a legendagem, penso que será algo a melhorar para futuro.

Antes de passar ao livro queria partilhar com vocês a minha opinião sobre tudo o que se passou no passado. Emocionalmente este sempre foi o meu herói preferido da Marvel. Eu cresci com o Homem-Aranha durante anos, e ele foi crescendo comigo, foi envelhecendo, casou e por aí fora. Eu identificava-me com ele assim como muitos outros fãs, apesar da bandalheira de más ideias já ter começado começado a desgastar a imagem do Aranha, falo por exemplo de ele ter retirado a máscara em Guerra Civil. O Aranha NUNCA retiraria a máscara publicamente. Nunca.

E então passado pouco tempo vem One More Day e Brand New Day.  O meu Aranha morreu aí. Joe Quesada, o editor chefe da Marvel obrigou a esta situação que apagou 30 anos de História do Aranha.
Mas com isto não quero dizer que não tinha havido posteriormente boas histórias do Aranha. Mas para mim foi um ponto final no herói que eu conhecia.

Passando a esta história propriamente dita, ela acaba por mais um "One More Day", ou seja, é mais um retcon para "endireitar" a vida do Aranha. Foi mais uma interpretação do herói, com novas peças de informação passadas ao lado de eventos já bastante conhecidos, como a origem propriamente dita do herói, e em que viajamos ao lado da origem "oficial" do Homem-Aranha, vendo tudo por um novo prisma. Apesar da descrição gráfica do Peter Parker ser muito parecida ao Peter Parker inicial dos anos 60 , a imagem geral é actualizada com telemóveis e todas as outras modernices da nossa altura.
Esta nova visão inseriu-se no projecto Marvel Now, em que foi feito um retcon geral ao universo Marvel.

A história Dan Slot em si não me parece mal construída, tem visões de ângulos diferentes para os factos que aconteceram nos anos 60, como a morte do Tio Ben. Gostei muito da mudança do ângulo pelo qual o leitor observa de maneira diferente bastantes situações da vida de Peter, J. Jameson ou do liceu.

A arte em si, não é muito do meu gosto, mas cada um é como cada qual, e já ouvi/li falar muito bem dos desenhos Ramón Pérez... bom, posso ser eu o errado, certo? De qualquer modo a Tia May é velhinha, não é uma múmia milenar como é apresentada aqui neste livro... (ahahah)

As capas de Alex Ross... bem, são o costume: brutais!
E já agora, no final do livro têm extras, ou seja as capas das várias revistas, e um sketch a preto & branco de Alex Ross respeitante à capa deste TPB



Enfim, um livro que se lê bem, mesmo bom para levar para a praia :)




Boas leituras


Deixa o teu comentário

Valérian Vol.1
Sonhos Maus / A Cidade das Águas Movediças
Lançamento no Planetário Calouste Gulbenkian

 
Basicamente vamos começar pelo lançamento desta série no Planetário Calouste Gulbenkien, no dia em que saiu o primeiro volume desta série, que se pretendia que se fosse a "edição definitiva" de Valerian e Laureline.

Estiveram presentes representantes da ASA, e do jornal Público, que falaram um pouco sobre a sua visão sobre esta personagem, e depois Carlos Pessoa (jornalista) falou um pouco mais "sério" sobre a série e o que ela representou para toda uma geração.

A sala do Planetário não se prestava muito bem a uma apresentação deste género, devido ao posicionamento corporal que obrigatoriamente tínhamos de ter, e não houve sequer hipótese de falar ou perguntar algo na sala aos anfitriões. Fica a ideia original de uma série FC passada no espaço (e no tempo) ser apresentada no Planetário, e de ter-mos tido a hipótese de ver um pouco do nosso céu nocturno explicado pelo responsável de quem eu infelizmente não sei o nome.
(Infelizmente apenas foi mostrado um pequeno trailer do filme, penso que foi curto...)

Ou seja, tive de esperar pela hora do croquete para poder interpelar alguém responsável pela série sobre alguns pensamentos meus sobre a maneira de como foi editada. E já agora vou explicar de como eu gostaria que ela fosse editada.

Capa dura. Sim, capa dura. Esta é a edição definitiva desta icónica série em Portugal, e NUNCA mais será editada, portanto seria expectável que fosse feito em Portugal o que foi feito no resto do mundo em que se fez esta edição definitiva, a fazer companhia ao filme que estreou hoje. Ou seja, capa dura.
"- Áhh e tal... o que conta é o interior." Já ouvi isto de alguns "fãs" da série... LOL O interior já eu conheço desde os anos 80, bolas! O que eu quero é que um dia eu mostre a um meu neto(a) um livro do Valérian e este não se desfaça como os meus livros dos anos 80 se desfazem se eu os tentar abrir... a cola seca e fica quebradiça! Isto é BÁSICO! Tenho livros de capa dura dos anos 70 que posso abrir perfeitamente sem ouvir barulho a batatas fritas. Era isso que eu pretendia para esta colecção... qualidade de edição. Nunca mais teremos Valerian em capa dura neste país. Perdeu-se a oportunidade!

Também não haver um prefácio no primeiro (pelo menos) para situar os leitores, sobretudo os que devido ao hype do momento compraram este livro do Valerian, e cairam de pára-quedas na série.
E desculpem-me ser picuinhas sobre estes livros, mas Valérian é uma parte de mim, está bem agarrado à minha pessoa enquanto adolescente a descobrir o mundo. Quem me tira Valerian, arranca um bocado de mim. Portanto estou a ser picuinhas, porque tenho de ser mesmo.
Páginas 6 e 7. Porquê estragar uma bela capa (interior neste caso) fazendo com que a separação das páginas retire toda a beleza à imagem. Preferível ter optado por colocar a imagem apenas numa única página...

Sim, picuinhas. Sou com muito gosto.
Sobre a minha pergunta sobre a capa, bem a resposta foi que tinha havido muita discussão sobre o assunto, em que havia uma"facção" capa dura e outra capa mole. Ganhou a "facção mole". Pronto. Basicamente foi isto. Em relação a um prefácio e à maneira como foi tratada a imagem da capa original de "Maus Sonhos", acho que nem sequer tinham pensado nisto.

Posto isto, e para terminar acho que a apresentação deveria ter sido feito antes da saída do livro, e não no dia em que saiu. Acho que esta apresentação de um modo geral ficou aquém do que se pretendia. Embora o local fosse original, também não deixava fazer nada para além daquilo.

Em relação à BD propriamente dita congratulo-me pela publicação inédita em álbum em Portugal do Vol.0 da série, "Maus Sonhos", história que serve de trampolim para a seguinte, o Vol.1 "A Cidade das Águas Movediças". Em "Maus Sonhos" ficamos a saber que a companheira de Valerian afinal veio do passado, mais propriamente da Idade Média, coisa que eu jovem leitor da revista Tintim nunca imaginei na altura, só passados bastantes anos :)

A arte destas primeiras histórias é muito básica e inicial, e poderemos verificar ao longo da série o crescimento gráfico das personagens. É brutal comparar o Valerian do Vol.0 ao Valerian do Vol.21...
A história ainda está muito no início, mas já temos um vislumbre de sociedades diferentes e de como os heróis e os vilões se movem no espaço-tempo. O próximo livro será bastante mais a sério e farei uma analise bastante mais completa. Tem duas das minhas histórias preferidas da série .

De notar uma coisa muito importante. Foram publicadas cinco páginas inéditas na história "A Cidade das Águas Movediças". A edição da Meribérica não tinha estas páginas, e a pergunta é porquê, e será que em mais livros isto aconteceu!?
As páginas em questão vão da 79 à 83, assim como a última vinheta da página anterior está adulterada para fazer a ligação à página seguinte no livro da Meribérica.
Não vou fazer scan da vinheta em questão do livro da Meribérica, porque se o fizesse o livro iria desfazer-se com certeza... (capa mole com 30 anos).




Boas leituras





Deixa o teu comentário

quarta-feira, 26 de julho de 2017

Lançamento Goody: Banda Desenhada Marvel



A editora Goody, bem conhecida na BD por ter sido responsável pelo regresso da Disney a Portugal, resolve agitar as águas noutra área da BD: edições Marvel.

Pelas indicações que vou tendo parece-me que serão edições de livros "mais recentes", publicados em capa mole (TPB) e a preços muito acessíveis. Eu não seguia o que estava a ser publicado pela Panini Brasil distribuído em Portugal, mas parece que estas edições vão cair em cheio aí.

Agora é esperar para ver qual o "stress" que estas publicações regulares vão provocar no nosso mercado.

Parabéns à Goody pela aposta e fiquem com o press release, mais informação da capa, algumas páginas e sinopse dos dois primeiros volumes desta aposta da Goody (no final do post).


As Bandas Desenhadas da Marvel chegam em versão portuguesa
com incursões do mundo contemporâneo

As histórias de banda desenhada do Homem-Aranha e Os Vingadores são agora editadas em versão portuguesa respeitando a cronologia dos recentes lançamentos da Marvel nos Estados Unidos da América.

Curiosamente, a Marvel enriqueceu as histórias com elementos do contexto do mundo contemporâneo, não só técnicos (Internet, Redes Sociais, Smartphones, Tablets) mas também sociais (um casamento entre pessoas do mesmo sexo - no volume 2 de Homem-Aranha ou a luta contra o cancro - no volume 2 de Os Vingadores).

Nesta primeira série, são publicados 10 volumes do Homem Aranha e 10 volumes de Os Vingadores que chegarão, em semanas alternadas, às bancas.

A seleção editorial, para além de respeitar a sequência dos lançamentos nos EUA, assegura também que cada volume inclui histórias que completam um ciclo narrativo dentro das linhas mais importantes destas duas licenças: “Spider-Man”, “The Amazing Spider-Man”, “Spider-Man/Deadpool”, “Avengers”, “All-New, All-Different Avengers” e “The Uncanny Avengers”. Esta série terá ainda como ponto alto a icónica “Civil War II”.

Espera-se assim conquistar um novo espaço no ecossistema editorial português com a edição em cadência semanal dos títulos mais emblemáticos do Universo Marvel.


Datas dos primeiros lançamentos

Homem-Aranha Vol.1: 28 Julho 2017

Os Vingadores Vol. 1: 4 Agosto 2017



Características
Formato: 168 x 260 mm
Encadernação: capa mole, lombada
Nº de páginas: 128
PVP: €7,90

Periodicidade: cada título é quinzenal, saindo Homem-Aranha e Os Vingadores em semanas alternadas.

Página de Facebook

http://www.facebook.com/BDMarvelGoody/



Sobre a Editora Goody
Contando já com dezassete anos de atividade e uma longa experiência na edição de publicações especializadas de temas tão variados como Videojogos, Tecnologia, Fotografia, Cinema, Conhecimento, Saúde e Bem-Estar ou Parentalidade, a Goody tem dedicado uma crescente atenção ao segmento Infanto-Juvenil através da edição de revistas e livros de licenças tão importantes como Disney, Cartoon Network, Nickelodeon, Hello Kitty e National Geographic Júnior.

A partir do ano de 2012 dá o importante passo de relançar as Bandas Desenhadas Disney em versão portuguesa, somando até hoje mais de 300 números de títulos tão populares como Comix, Hiper Disney, Minnie ou Especial Disney, que experimentam agora uma importante reestruturação em linha com a estratégia internacional de potenciar os “standard characters” como Tio Patinhas, Donald ou Mickey aproximando assim ainda mais os leitores deste vasto universo.

A larga experiência na edição de Banda Desenhada Disney é agora colocada ao serviço da edição em versão portuguesa das Bandas Desenhadas Marvel com o compromisso de qualidade e relevância a que a Goody habituou os seus leitores.


Sinopse: Antes de ser reconhecido como um herói que todos amam, o Homem-Aranha passou por altos e baixos que são agora revelados. Neste primeiro volume vamos poder acompanhar esses primeiros tempos, mas sob uma diferente perspetiva, dando a conhecer uma faceta diferente de Peter Parker e a de um vilão completamente desconhecido… até agora.




Histórias: Aprender a Escalar (Argumento: Dan Slott | Arte: Ramón Pérez | Cores: Ian Herring | Arte-Final: Ramón Pérez) e O que faria o Homem-Aranha? (Argumento: Kevin Grevioux | Arte: Lee Weeks | Cores: Rico Renzi | Arte-Final: Sergio Cariello).
Editor: Goody Dimensões: 168 x 260 mm Encadernação: capa mole Nº pág.: 128 Periodicidade: quinzenal




Sinopse: Quando se julgava que Os Vingadores já não tinham qualquer equipa no ativo, eis que surgem duas equipas para fazer frente às ameaças com que o mundo se depara. Enquanto uma improvável união (onde se inclui o Homem de Ferro) é criada para derrotar uma criatura do exército Chitauri, controlada por uma figura altamente sombria, surge também outro esquadrão, liderado por Steve Rogers (o Capitão América original), que pretende unir humanos, inumanos e mutantes, visando afastar os perigos decorrentes do mais recente incidente entre Inumanos e X-Men.




Histórias: Os Sete Magníficos (I) (Argumento: Mark Waid | Arte: Mahmud Asrar e Adam Kubert | Cores: Sonia Oback e Dave McCaig) e Vingadores-X (Futuro Perdido (I) | Argumento: Gerry Duggan | Arte: RyanStegman | Cores: Richard Isanove).
Editor: Goody Dimensões: 168 x 260 mm Encadernação: capa mole Nº pág.: 128 Periodicidade: quinzenal



Boas leituras







Deixa o teu comentário

sexta-feira, 7 de julho de 2017

Lançamento ASA / Público: Valerian



Congratulo-me pelo lançamento desta tão esperada reedição da série Valerian. A sério.
Era uma coisa que eu queria muito, e como já não posso abrir os meus livros da editora Meribérica, senão fico com as folhas todas espalhas no chão, é a oportunidade de ouro para reler a série.

Agora, tenho de dizer que fiquei triste também. Fico triste porque muitas das melhores colecções desta parceria ASA/Público são publicadas em capa mole, quando séries tipo Túnicas Azuis e Airborne 44 são editadas em capa dura! Fico espantado com esta clarividência de quem decide uma coisa destas!

As duas das melhores séries publicadas por esta parceria ultimamente (13 e Valerian) são editadas em capa mole...? Porquê? Não percebo e fico triste.

Vão ser 11 álbuns duplos e um simples (também vai custar o mesmo que os outros?). Não seria de juntar ao álbum simples o livro "Os Habitantes do céu"? Ficariam 12 álbuns duplos, pelo menos...

Esta colecção vai publicar "Maus Sonhos" que nunca tinha sido publicado em álbum e um outro livro que penso que é completamente novo em Portugal (o tal simples) "Recordações de Futuros". Fico agradado (muito) com a publicação destes dois livros, embora isto não invalide a minha completa estupefacção sobre as capas moles... a sério.

Fiquem com a nota de imprensa:

Colecção Valerian

O PÚBLICO e a ASA editam, já a partir de 26 de Julho, a tão aguardada colecção de BD:
«Valérian e Laureline» da autoria de Pierre Christin (argumento) e Jean-Claude Mézières (desenho).

Esta colecção especial, resultante da parceria ASA/Público, é composta por 12 volumes (11 dos quais são álbuns duplos), que incluem todos os 23 álbuns até agora publicados de Valérian e Laureline, os intrépidos agentes espácio-temporais ao serviço de Galaxity, capital do Império Galáctico Terrestre no séc. XXVIII.

Unanimemente considerada um clássico da nona arte, esta série é também uma obra-prima da ficção científica, tendo influenciado todas as criações posteriores nesse domínio, na literatura e não só.

No âmbito da produção cinematográfica, serviu de inspiração a vários realizadores, entre os quais George Lucas e Luc Besson.

Este último, admirador confesso da série e dos seus autores, assina a longa- ‑metragem Valérian e a Cidade dos Mil Planetas, com estreia mundial no verão de 2017.

Onze álbuns duplos e um single, numa edição em capa mole com badanas, formato: 22*28cm) que os leitores do jornal PÚBLICO poderão adquirir, por 8,90€, todas as quartas-feiras.

Enviamos abaixo a data de saída de cada álbum:



OS AUTORES

Pierre Christin
Argumentista
Pierre Christin nasceu em 1938, em Saint-Mande, nos arredores de Paris (França). Estudou na Sorbonne, após o que, nos anos 1960, entre as suas actividades como pianista de jazz e os seus primeiros trabalhos na área do jornalismo, da tradução e da publicidade, decide partir à descoberta dos Estados Unidos, onde vem a instalar-se, ensinando literatura numa Universidade.

Em 1967, assina, com Jean-Claude Mézières, a primeira aventura de Valérian, que ambos decidem enviar à revista Pilote sem nunca imaginarem o sucesso e a longevidade que estava reservada para o seu herói. É também por esta altura que é nomeado para a Universidade de Bordéus, onde funda, em 1968, aquilo que virá a ser uma importante escola de jornalismo, de que Christin sempre foi um dos principais impulsionadores.

Na área da BD, é autor de argumentos para desenhadores tão díspares como Jacques Tardi, François Boucq, Jean Vern, Claude Auclair, Daniel Ceppi, Enki Bilal ou Annie Goetzinger. É ainda autor de diversos romances e do argumento da longa-metragem Bunker Palace Hotel, realizada por Bilal.

Jean-Claude Mézières
Desenhador
Jean-Claude Mézières nasceu em 1938, em Paris (França). Muito dotado para o desenho, entra aos 15 anos na Escola de Artes Aplicadas de Paris, começando a publicar algumas histórias em Fripounet et Marisette e Pilote. É nesta última revista que vê publicada, em 1967, a primeira aventura de Valérian, um herói espacial que havia criado juntamente com o seu amigo de infância Pierre Christin, sem que nenhum dos dois tivesse alguma vez imaginado o enorme sucesso que estava reservado para essa personagem, hoje em dia um dos ícones incontornáveis da BD franco-belga.

Em 1987, também com Christin, colabora em Lady Polaris, um romance ilustrado sobre os grandes portos europeus. E em 1991, a mesma dupla assina Les Habitants du Ciel, uma enciclopédia que passa em revista todas as criaturas fantásticas que se cruzam com Valérian e Laureline nas suas aventuras cósmicas.

Participa ainda em diversos projectos como cenógrafo e ilustrador.







Já agora... também não percebi a escolha de algumas capas, sobretudo as dos primeiros livros, mas enfim.

Boas leituras








Deixa o teu comentário